Encontro de Outono da Sociedade Brasileira de Física 2018

Na última edição do Encontro de Outono da Sociedade Brasileira de Física – Mayo 2018 / Foz do Iguaçu - houve uma mesa com os Presidentes das Sociedades do Cone Sul da América Latina (Argentina, Brasil, Chile e Uruguai) e a essa foi convidada a direção do CLAF. Esta atividade foi dedicada a discutir a colaboração científica entre os países da América Latina e da América Central, onde, por consenso, algumas recomendações foram feitas à comunidade de físicos. Esperamos que essas recomendações melhorem o intercâmbio e aumentem a eficiência científica de nossos centros.

Leia abaixo o documento que emergiu desta reunião que, dada a sua importância e interesse, esperamos seja difundido entre instituições, universidades e grupos de trabalho dedicados à física e áreas multidisciplinares:

 

          "Entre os dias 6 e 10 de maio de 2018, realizou-se o Encontro de Outono da Sociedade Brasileira de Física em Foz do Iguaçú. No programa da atividade aconteceu a reunião das Sociedades do Cono Sul, na qual participaram: Dr. Gustavo Monti, Presidente da Associação de Física Argentina (AFA), Dr. Marcos Pimenta, Presidente da Sociedade Brasileira de Física (SBF), Dr. Luis Huerta, Presidente da Sociedade Chilena de Física (SOCHIFI), Dra. Cecilia Stari, Presidente da Sociedade Uruguaia de Física (SUF) e Dr. Carlos Trallero, Diretor do Centro Latino-Americano de Física (CLAF).

O tema central submetido à análise foi a Colaboração, Intercâmbio e Integração dos Países da América Latina:

-Os participantes discutiram a necessidade de ampliar e melhorar a colaboração científica entre os países da região.

-Houve consenso sobre as limitações ao desenvolvimento que representa o baixo nível que existe atualmente no intercâmbio científico entre nossos grupos de pesquisa, instituições e países da região.
-Foi discutida a necessidade de se buscar vias de ampliar os laços de colaboração e intercambio que nos permitam aumentar a eficiência de nossa pesquisa, tanto em qualidade como em quantidade.

- A necessidade de que os profissionais conheçam as instalações, habilidades e equipamentos que possuem os diversos centros de pesquisa da América Latina.

A partir do debate, surgiram as seguintes recomendações:

  1. As Sociedades de Física e o CLAF disponibilizarão links em seus respectivos sites para o restante das Sociedades na América Latina.
  2. Na medida das possibilidades divulgarem, através de suas páginas WEB, os grupos de trabalho, instalações e programas de desenvolvimento.
  3. Seja divulgada a recomendação de se aumentar o número de palestrantes convidados de outros países latino-americanos em eventos científicos locais. Atualmente, o percentual por evento de palestrantes convidados não locais de nosso continente é extremamente baixo. Esta é uma forma muito importante de colaboração que amplia o contato entre grupos de trabalho.
  4. É aconselhável que as Sociedades e as várias instituições da região estabeleçam os contatos necessários para organizar eventos por temas de ordem continental ou multinacional. Atualmente há uma ampla dispersão de eventos no mesmo tópico, o que debilita a troca e a colaboração entre entidades com a mesma linha de trabalho.
  5. Divulgar uma declaração do grupo de Presidentes de Sociedades de Física e do Diretor do CLAF reunidos em Foz do Iguaçú que expressem as ideias básicas e os propósitos acordados."